Angústia Digital – só eu sofro disso?

Eu sempre fui a típica virginiana-toda-certinha-com-tudo-em-dia.com.br, a psicótica do bom controle e, pra mim, uma grande atitude de respeito para com as outras pessoas tem a ver com cuidar para não desperdiçar o tempo delas e nem deixá-las sem um retorno.

Sempre pensei e agi da seguinte maneira: se alguém falou comigo, me abordou para qualquer assunto, merece um retorno. Mesmo que esse retorno seja “não, obrigada”.

Enquanto a coisa estava no email, ICQ, Messenger e no Torpedo, tava beleza: eu, que sou da época do Pager, conseguia administrar tranquilamente as diversas entradas de contato.

Aí, Deus deixou a gente criar o whatsapp (com grupos).

E mais 53 variações de caixas de mensagens, em todos os aplicativos da vida.

E marcação no Facebook.

E eventos no facebook.

E Facebook, fim.

Tentei, por um tempo, me organizar pra responder tudo.

Mas não dou mais conta.

E sofro um pouco, admito.

Porque posso estar deixando passar algo importante, alguma mensagem que, realmente, precisaria ser respondida.

Tenho exercitado abrir mão do controle e fiz uma conta rápida: com o volume de eventos, marcações, mensagens e emails, seriam necessárias entre 7 e 9 horas por semana para ver/ler/consumir e responder tudo.

Como (quase) resolvi? Com 6 passos rápidos:

  1. Refleti sobre as minhas prioridades. Grupos de trabalhos que já acabaram, por exemplo, não são mais mantidos no whatsapp e eu explico para as pessoas não acharem que sou a mais-mal-educada-do-universo.com.br;
  2. Decidi o aplicativo que iria concentrar os temas importantes: Whatsapp. E avisei às pessoas de meu convívio profissional e pessoal que outros aplicativos seriam checados1x/semana;
  3. Decidi o aplicativo que teria a minha atenção diária (1x/dia): Linkedin.Por razões profissionais, mas, principalmente, pelo potencial em conhecer gente nova, preservando a minha privacidade. Sabendo usar, é uma maravilha!
  4. Organizei meu top 3 grupos: meu grupo de Gestão e Diretoria; meu grupo de Operações e meu grupo com meu marido, meu filho e minha nora (que estão no Canadá). Se aparece mensagens nestes grupos, eu dou uma olhada para saber se é importante;
  5. Combinados com a família: meu marido, meu ex-marido, meu filho, minha nora, meu pai e minha mãe sabem que, se é uma urgência/emergência, eles me ligam e, principalmente em horário comercial, eu peço licença e atendo na hora. Como temos critérios pra ligações, sei que vai ser algo relevante;
  6. Checagem cuidadosa 1x/semana: dou uma olhada mais carinhosa no que fica pendente e interajo pontualmente <3

Sempre tem espaço pra uma mensagem carinhosa ou um meme (claro!!!), só tomo cuidado de não ter o meu tempo roubado em excesso.

Isso tem me ajudado a manter a sanidade e refletir sobre o que eu mesma envio, respeitando o tempo do outro e criando cada vez mais relevância!

Afinal… Tempo é o que você fizer dele 🙂